Santo do Dia‎ > ‎

18 de janeiro

 
 
Pascom
Pascom
 Youtube
Paróquia
https://www.facebook.com/terco.d.homens
Terço dos
Homens
Google+
Paróquia 

Pascom 
Pinterest
Paróquia
Terço dos Homens
Terço dos
Homens 
   

Curta Nosso Site.

















































































Santa Margarida da Hungria, exemplo de vida comunitária

18 de Janeiro




Santa Margarida da HungriaSanta Margarida viveu o apego somente ao essencial; e as irmãs eram atingidas por esse testemunho

Filha do do casal real, rei Bela IV, da Hungria e da rainha Maria, uma família santa e de bons princípios, era sobrinha-neta de Santa Edviges, sobrinha de Santa Isabel da Hungria, irmã mais nova de Santa Cunegunda e da Beata Iolanda.
Nesta altura do seu nascimento em 27 de janeiro de 1242, vivia no exílio, na Croácia, devido às invasões mongóis (1241–1242). 
Aconteceu que seus pais fizeram promessa de que o seu país ficasse livre, a sua filha seria religiosa. Daí logo cedo, aos quatro anos de idade, em 1245, entrou no Convento dominicano de Veszprém.
Seis anos mais tarde mudou-se para um convento, que os seus pais fundaram, no rio Danúbio, em Nyulak szigete, junto de Budapeste (hoje chamada Ilha de Margarida, em sua homenagem). 
Ali viveu toda a sua vida, com grande devoção religiosa, e recusando as tentativas de seu pai para que se casasse com o rei Otokar II da Boêmia.

DETALHES:

O ano de 1241 foi um ano dificílimo para a Polônia e a Hungria. O tártaro Ogotai tinha a intenção de conquistar o mundo inteiro. Venceu os polacos em Liegnitz e a seguir invadiu a Hungria. O Rei Bela IV e seus homens lutaram heroicamente, o que não impediu que o rei tivesse que se refugiar junto ao Mar Adriático, na costa oriental.
Foi então, no Castelo de Ulissa, que nasceu, na primavera de 1242, Santa Margarida da Hungria,onde a filho dos soberanos, Margarida foi batizada ao ar livre, na Ilha de Trau, por um dos poucos bispos húngaros sobreviventes - um terço da população tinha perecido. 
Quando Margarida nasceu, seus pais prometeram consagrá-la a Deus se Ele lhes concedesse a vitória. Suas orações foram ouvidas e Margarida, aos três anos de idade, foi confiada ao convento das religiosas de São Domingos, de Veszprem.
O Rei e sua esposa, a Rainha Maria Lascaris, construíram um convento em uma ilha do Danúbio, próximo de Budapeste (hoje chamada Ilha de Margarida, em sua homenagem), onde Margarida, com apenas doze anos de idade, fez sua profissão diante do Beato Humberto de Romans.
O rei Bela IV recebeu o título de "campeão da cristandade" e foi descrito como "o último gênio dos Arpádios". As qualidades de Margarida provam que ela havia herdado as qualidades extraordinárias de seu pai; sua nobre linhagem realça mais os detalhes de sua extraordinária vida de abnegação. 
A Ordem de São Domingos tomou o cuidado de guardar a memória de uma de suas primeiras e mais ilustres filhas.
Parece que Margarida era excepcionalmente bela. Aos 16 anos, o Arcebispo de Esztergom comunicou-lhe que o Papa Alexandre III a dispensava do voto dos pais, caso fosse de interesse da nação que ela se casasse. Com efeito, o Rei Otokar, da Boêmia, desejou sua mão após tê-la visto com hábito de religiosa.
Margarida, porém, estando acompanhada da prioresa declarou: 
"Honras-me sobremaneira, rei valente e poderoso, ao desejares que seja tua mulher, e está muito longe de mim desprezar a vocação de esposa. Mas como poderia fazê-lo, tendo presente o exemplo da bem-aventurada Virgem Maria, como também a dedicação da minha própria mãe querida, de quem sou a décima filha? Mas eu não nasci para ser esposa e mãe. 
A minha tarefa é completamente diversa. Por isso peço que te vás embora sem te zangares, e busca para ti uma esposa que possa fazer-te ditoso. Eu, ó rei, não poderia fazer-te feliz".
Por sua vez, Carlos de Anjou também planejou obter sua mão e recebeu igual negativa.
Como a maioria das religiosas do convento pertencia à nobreza, a princesa Margarida era tratada com especial consideração. Ao perceber isso, ela procurou escolher sempre os trabalhos mais humildes, repugnantes e tediosos. Cuidava dos doentes que padeciam os males mais repulsivos.
Por uma graça excepcional, uma cópia completa dos testemunhos do processo de beatificação de Santa Margarida, iniciado menos de sete anos depois de sua morte, chegou até nossos dias. Cerca de cinquenta de suas companheiras falaram sobre a mortificação e a caridade de Margarida nesse processo. 
Ao lermos esses depoimentos, ficamos plenamente convencidos que o seu valor na luta contra o mundo e a carne exerceu uma profunda influência nos que a rodeavam.
Os relatos que as Irmãs fizeram sobre ela apresentam também pormenores humanos e agradáveis. A sacristã conta que Margarida acariciava sua mão e lhe prodigalizava todos os agrados possíveis para que ela deixasse a porta da capela aberta durante a noite, a fim de passar diante do Santíssimo Sacramento as horas que devia consagrar ao descanso.
Margarida tinha uma confiança ilimitada na oração e seus pedidos a Deus tinham algo de imperioso. Várias religiosas contam algo acontecido quando a Santa tinha apenas dez anos.
Dois frades dominicanos tinham ido visitar o convento e Margarida pediu que eles permanecessem mais tempo. Eles responderam que tinham que partir imediatamente.
A menina lhes disse: - "Vou obter que Deus faça chover de tal forma, que não podereis ir embora". Embora os frades dissessem que não haveria chuva que os detivesse, Margarida foi para a capela para rezar. A tormenta que desabou em seguida foi tão violenta, que impediu os frades de partirem.
Este episódio lembra o famoso caso ocorrido com Santa Escolástica e São Bento. As companheiras de Santa Margarida atestam sob juramento tantos casos do mesmo tipo, que se torna difícil atribuí-los a simples coincidência.
Uma Quinta-feira Santa, Margarida não só lavou os pés das setenta religiosas do coro do convento, como também de todas as serviçais.
A Santa havia passado a Quaresma em duras penitências, o que tornava tal ação bem exaustiva.
Entretanto, ela apenas comentou que aquele tinha sido o dia mais curto do ano, pois não tinha tido tempo nem de rezar nem de praticar todas as penitências que desejaria.
Margarida faleceu no dia 18 de janeiro de 1271, quando tinha apenas vinte e oito anos. 

Sua beatificação se deu em 1789 a canonização ocorreu em 19 de novembro de 1943 pelo Papa Pio XII.


Santa Margarida da Hungria, rogai por nós!
Comments