Formação‎ > ‎

Para que louvar os santos


 
 
Creio na Comunhão dos Santos e você?
 

O dia 01 de Novembro a Igreja celebra a solenidade de todos os santos, fazendo memória de todos aqueles que já estão no céu e não tem um reconhecimento litúrgico, mesmo porque a Igreja não tem como conhecer todos os santos. Por isso, todos os filhos de Deus que já estão no céu são santos, pessoas que viveram com perfeição e luta o seguimento de Cristo e as Virtudes do evangelho. Pense que até membros de sua família podem estar na comunhão dos santos rezando por você, minha avó, meu pai, minha mãe e um primo que faleceu aos dois anos de idade, eu creio que eles estão no céu. Santidade é a vocação universal de todos os batizados:“E nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos no amor” (Efésios 1,4).

“A exemplo da santidade daquele que vos chamou, sede também vós santos em todas as vossas ações, pois está escrito: Sede santos, porque eu sou santo”. (Lv 11,44), (I São Pedro 1,15).

Não celebramos Halloween, celebramos a Santidade de Deus que santifica os seus filhos. Não as bruxas e Sim aos santos.

Em que sentido a Igreja é santa?

A Igreja é santa, porque Deus Santíssimo é o seu autor; Cristo entregou-se por ela, para santificá-la e fazer dela santificadora; e o Espírito Santo vivifica-a com a caridade. Nela se encontra a plenitude dos meios de salvação. A santidade é a vocação de cada um dos seus membros e o fim de cada uma das suas atividades. A Igreja inclui no seu interior a Virgem Maria e inumeráveis Santos, como modelos e intercessores. A santidade da Igreja é a fonte da santificação dos seus filhos, que, aqui, na terra, se reconhecem todos pecadores, sempre necessitados de conversão e de purificação.“Quando recebeu o livro, os quatro Animais e os vinte e quatro Anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um uma cítara e taças de ouro cheias de perfume que são as orações dos santos” (Apocalipse 5,8).

Como é que os Santos são guias de oração?

Os santos são modelos de oração e a eles pedimos para, junto da Santíssima Trindade, intercederem por nós e pelo mundo inteiro. A sua intercessão é o mais alto serviço que prestam ao desígnio de Deus. Na comunhão dos santos, desenvolveram-se, ao longo da história da Igreja, diversos tipos de espiritualidade, que ensinam a viver e a pôr em prática a oração: “Adiantou-se outro anjo e pôs-se junto ao altar, com um turíbulo de ouro na mão. Foram-lhe dados muitos perfumes, para que os oferecesse com as orações de todos os santos no altar de ouro, que está adiante do trono” (Apocalipse 8,3).

O que diz a Igreja:

O que significa a expressão comunhão dos santos?

Indica, antes de mais, a participação de todos os membros da Igreja nas coisas santas (sancta): a fé, os sacramentos, em especial a Eucaristia, os carismas e os outros dons espirituais. Na raiz da comunhão está à caridade que «não procura o próprio interesse» (1 Cor 13, 5), mas move o fiel «a colocar tudo em comum» (At. 4, 32), mesmo os próprios bens materiais ao serviço dos pobres.

O que significa ainda a expressão comunhão dos santos? Designa ainda a comunhão entre as pessoas santas (sancti), isto é, entre os que, pela graça, estão unidos a Cristo morto e ressuscitado. Alguns são peregrinos na terra; outros, que já partiram desta vida, estão a purificar-se, ajudados também pelas nossas orações; outros, enfim, gozam já da glória de Deus e intercedem por nós. Todos juntos formam, em Cristo, uma só família, a Igreja, para louvor e glória da Trindade. Essa é a nossa fé, por isso, podemos pedir a intercessão de todos os santos conhecidos e desconhecidos, rezemos:

Deus eterno e todo-poderoso, que nos dais celebrar numa só festa os méritos de todos os santos, concedei-nos, por intercessores tão numerosos, a plenitude da vossa misericórdia. Por nosso senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém

Você pode se perguntar: Quantos santos existem, está na Bíblia?

“Era uma imensa multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas” (Apoc 7, 9).

Meus amigos santos são: a Virgem Maria, Santa Teresinha, são João Maria Vianey, são Pe. Pio, São Francisco de Assis, são Luiz, São João Bosco, Bem-aventurados Jacinta e Francisco, o servo de Deus João Paulo IITodos os santos de Deus, rogai por nós!

Para que louvar os santos, para que, enfim, esta solenidade?

Para que louvar os santos, para que glorificá-los? Para que, enfim, esta solenidade? Que lhes importam as honras terrenas, a eles que, segundo a promessa do Filho, o mesmo Pai celeste glorifica? De que lhes servem nossos elogios? Os santos não precisam de nossas homenagens, nem lhes vale nossa devoção. Se veneramos os Santos, sem duvida nenhuma, o interesse é nosso, não deles. Eu por mim, confesso, ao recordar-me deles, sinto acender-se um desejo veemente.

Em primeiro lugar, o desejo que sua lembrança mais estimula e incita é o de gozarmos de sua tão amável companhia e de merecermos ser concidadãos e comensais dos espíritos bem-aventurados, de unir-nos ao grupo dos patriarcas, às fileiras dos profetas, ao senado dos apóstolos, ao numeroso exercito dos mártires, ao grêmio dos confessores, aos coros das virgens, de associar-nos, enfim, à comunhão de todos os santos e com todos nos alegrarmos. A assembleia dos primogênitos aguarda-nos e nós parecemos indiferentes! Os santos desejam-nos e não fazemos caso; os justos esperam-nos e esquivamo-nos.

Animemo-nos, enfim, irmãos. Ressuscitemos com Cristo. Busquemos as realidades celestes. Tenhamos gosto pelas coisas do alto. Desejemos aqueles que nos desejam. Apresemo-nos ao encontro dos que nos aguardam. Antecipemo-nos pelos votos do coração aos que nos esperam. Seja-nos um incentivo não só a companhia dos santos, mas também a sua felicidade. Cobicemos com fervoroso empenho também a glória daqueles cuja presença desejamos. Não é má esta ambição nem de nenhum modo é perigosa à paixão pela glória deles.

O segundo desejo que brota em nós pela comemoração dos santos consiste em que Cristo, nossa vida, tal como a eles, também apareça a nós e nós juntamente com ele apareçamos na glória. Enquanto isso não sucede, nossa Cabeça não como é, mas como se fez por nós, se nos apresenta. Isto é, não coroada de glória, mas como com os espinhos de nossos pecados. É uma vergonha fazer-se de membro regalado, sob uma cabeça coroada de espinhos. Por enquanto a púrpura não lhe é sinal de honra, mas de zombaria. Será sinal de honra quando Cristo vier e não mais se proclamará sua morte, e saberemos que nós estamos mortos com ele, e com ele escondida nossa vida. Aparecerá a Cabeça gloriosa e com ela refulgirão os membros glorificados, quando transformar nosso corpo humilhado, configurando-o à glória da Cabeça que é ele mesmo.

Com inteira e segura ambição cobicemos esta glória. Contudo para que nos seja lícito espera-la e aspirar a tão grande felicidade, cumpre-nos desejar com muito empenho a intercessão dos santos. Assim, aquilo que não podemos obter por nós mesmos, seja-nos dado por sua intercessão.

Dos sermões de São Bernardo, abade (Séc. XII). Oficio das Leituras.

“E veio um outro anjo que se colocou perto do altar, com um turíbulo de ouro. Ele recebeu uma grande quantidade de incenso, para oferecê-lo com as orações de todos os santos, no altar de ouro que está diante do trono. E da mão do anjo subia até Deus a fumaça do incenso com as orações dos santos” (Apocalipse 8,3-4).

O que diz a Igreja (CIC Catecismo da Igreja Católica).

960. A Igreja é «comunhão dos santos»: esta expressão designa, em primeiro lugar, as «coisas santas» (sancta) e, antes de mais, a Eucaristia, pela qual «é representada e se realiza a unidade dos fiéis que constituem um só Corpo em Cristo» (523).

961. Este termo também designa a comunhão das «pessoas santas» (sancti) em Cristo, que «morreu por todos», de modo que o que cada um faz ou sofre por Cristo e em Cristo reverte em proveito de todos.

962.
«Nós cremos na comunhão de todos os fiéis de Cristo: dos que peregrinam na terra, dos defuntos que estão levando a cabo a sua purificação e dos bem-aventurados do céu: formam todos uma só Igreja; e cremos que, nesta comunhão, o amor misericordioso de Deus e dos seus santos está sempre atento às nossas orações» (524).

Oração:

Ó Deus Onipotente e Eterno que vos dignastes elevar a honra dos altares os vossos fiéis servos os Santos, dignai-vos pelos méritos de cada um deles, pela fidelidade a que vos serviste nessa terra, e pela honra que vos presta perpetuamente no céu por cada um de vós filhos, os santos, atendei com urgência os meus pedidos. (fazer o pedido..).
Nossa Senhora, São José, São Bento, São Miguel, Santo Expedito, São Judas Tadeu, São João, Santo Antonio, Santo Inácio, São Pedro, São Paulo, Santo Agostinho, São Francisco, Santa Rita, Santa Edwiges, Santa Terezinha, Santa Clara, Santa Mônica, Santa Izabel, Santa Rosa de Lima, São Frei Galvão e todos os Santos, por Deus eu vos peço, ajoelhai-vos diante do trono de Graça da Divina Misericórdia e intercedei fervorosamente pelos meus urgentes pedidos. (fazer o pedido..) e creio firmemente que já fui atendido.
Santos de Deus, sob vossas proteções nos refugiamos, não desprezeis as nossas súplicas, sustentai-me na luta contra o maligno, ajudai-me a alcançar em nome de Jesus Cristo a Vida Eterna.

Salvai-nos Senhor, por intercessão de vossos santos!

Conte com as minhas orações.
Padre Luizinho,
Sacerdote Canção Nova.

 

Fonte de pesquisa: Catecismo da Igreja Católica - Creio na Comunhão dos Santos.

 

 

Comments